quarta-feira, 13 de junho de 2012

O meu método

O desfralde da Inês foi um esforço partilhado entre mim e o infantário. Na altura aprendi alguns truques com elas e em casa fomos dando continuidade. Acho essencial ser algo concertado e em simultâneo. Não posso dizer que foi muito rápido e fácil mas não correu mal. Na verdade a coisa entrou nos eixos poucas semanas depois do inicio mas, até não haver deslizes, até eu estar completamente descansada, sem ter a preocupação de lhe estar sempre a perguntar se tinha vontade, foram uns meses.

Agora vai ser tudo por minha conta. A parte prática da coisa: 

Roupas simples e fáceis de baixar. Calças, calções, saias, sem fechos ou botões, cintura de elástico é o ideal. E muitas, comprar uns pares extra porque vão estar sempre a lavar e secar. Cuequinhas, muitas também! Se até agora usavam body (a minha já não usava) passar a comprar camisolas interiores.

Calçado lavável. Não há nada mais chato que calçado molhado. Durante o desfralde a Inês andou sempre de crocs e a Beatriz já tem usado (mesmo sendo um número acima!). Depois de um descuido, basta passar por água e secá-las com um pano e estão prontas a voltar a calçar.

Fralda só para a sesta ou para saídas prolongadas e/ou sem possibilidade de levar o pote/bacio atrás. Nada de fralda-cueca. Fez xixi, fica molhada, a melhor forma de perceber como a coisa funciona, sentindo a causa-efeito. 

Nos primeiros dias ir colocando a criança no pote/bacio em curtos intervalos regulares, tipo 5 em 5 minutos, se não fizer nesse intervalo, passar para de 10 em 10 minutos e assim sucessivamente até começarmos a perceber quanto tempo aguenta e até começarem a ser eles a pedir.

Não confundir a criança pondo fralda num dia e não pondo noutro conforme a nossa conveniência. Não é fácil, é preciso persistência e muita paciência mas, uma vez começado o processo, não voltar atrás. A não ser que se note que a criança não está mesmo preparada e se sinta frustrada. Claro que por vezes é necessário abrir uma excepção, uma viagem de carro, uma ida a um restaurante, mas não abusar!

Nunca ralhar quando não fizer no sitio certo. Mostrar que não se fica contente mas nunca ralhar ou castigar. Por outro lado, enfatizar bem o sucesso. Aqui vale tudo, palmas, parabéns, "dá cá mais cinco".

Por cá o pote/bacio é simples, só serve para o que serve e não para brincar. Mas dá música! Sempre que há algo lá dentro, é giro para ela e é prático para mim que me apercebo logo que está a fazer (e evito que ela o agarre para ir despejar sem supervisão, como tem tentado fazer). Há crianças que preferem logo ir à sanita, com redutor, por cá só depois do desfralde estar bem encaminhado em vias de conclusão é que fomos fazendo a transição para a sanita.

Acho que é isto. Para quem também estiver nesta fase tão "gira", boa sorte!

10 comentários:

Mara Quinta disse...

Por cá começamos a pensar nisso. Mas acho que vou esperar mais um mês ou dois. E concordo com a tua metodologia, eu fiz assim com o João. Como ele não andava na creche esperei pelo timming certo para ele e correu muito bem. Com ela queria fazer o mesmo, mas parce-me mais imatura do que ele com a mesma idade. A ver vamos.
Beijinhos e boa sorte!

Aline Brito Paiva disse...

por cá já começamos ha 2 semanas.
a 1ª não correu muito bem, a 2ª bastante melhor.
fez 15 dias na 2ªf e não faz nada nas cuecas desde 6ªf passada.
acho que tem mesmo muito a ver com o mindset dos miudos..
o vasco nem sequer está na creche e o irmão que estava demorou muito e foi muito resistente.
Concordo muito com o que diz: começando o processo, não há volta atrás. Não os podemos confundir conforme a nossa conveniência.
E os rapazes costumam ser mais lentinhos.
Vale-me que este não gosta de se sentir sujo, acho que também ajuda a largar a fralda mais depressa..

DSMorais disse...

Nós estamos nessa fase, ainda não a 100%, mas como dizes ou é ou não é...
Obrigada por este texto tão útil que me irá com certeza ajudar muito...
Beijinho*

**SOFIA** disse...

assino tudo por baixo, o nosso caso foi em tudo semelhante como sabes e é mesmo isso, há dias fantásticos e há dias desastrosos. o bacio não é um brinquedo mas o que fica lá dentro é uma festa a celebrar. vais ver que em breve tens a tua mais nova despachada!
bem bom!

Márcia Leite disse...

Com o meu o xixi foi fácil, o pior foi o nº 2 LOL Muita cueca no caixote do lixo!

Susana Happy Days disse...

Já se falou na escolinha de começar esse processo!!! ma acho que agora só nas férias ou depois delas :S

Daniela disse...

vai correr bem! eu também tirei tudo,so punha para dormir,deixei-a ficar molhada! e olha que numa semana já estava ;) mesmo de noite nunca mais fez xixi ;)

Maria João disse...

Não poderia concordar mais com tudo o que disseste. Acho que o grande insucesso de muitas crianças deve-se ao facto das mães teimarem em usar a fralda cueca e um dia cueca, outro dia fralda por isto ou por aquilo. Obviamente que a criança fica confusa!!

vidasdanossavida disse...

Olá. Uma questão a propósito deste tema. Quando tiraste a fralda à tua filha como fizeram com a primeira grande viagem de carro? É que nós começámos a tirar as fraldas a 100% hoje, já nem quis dormir com fralda, e na segunda vamos para o Algarve. Tenho receio de colocar fralda e ser um retrocesso, mas acho complicado parar de 10 em 10 minutos... Obrigada pela ajuda.

Marta disse...

Olá!
No caso da minha mais velha, não houve nenhuma viagem muito longa na fase do desfralde.
Agora com a Beatriz, fomos de fim de semana (viagem de cerca de 2h) e coloquei-lhe a fralda. Ainda estava muito no inicio, não dava mesmo para confiar.
Tenta ver se entretanto ela regulariza os intervalos em que precisa de fazer xixi. Se começares a ver que ela aguenta bem 1h por ex, podes sempre tentar e ir parando. Se bem que em viagem eles costumam adormecer e tal e a coisa complica. Se fosse eu, sendo ainda muito recente, acho que optava pela fralda mas dizia-lhe que se tivesse vontade podíamos parar.